janelas

no memory (II)


Coisas, Pequenas Coisas

Fazer das coisas fracas um poema.
Uma árvore está quieta, murcha, desprezada.
Mas se o poeta a levanta pelos cabelos e lhe sopra os dedos,
ela volta a empertigar-se, renovada. E tu, que não sabias o segredo,
perdes a vaidade.
Fora de ti há o mundo e nele há tudo que em ti não cabe.

Homem, até o barro tem poesia!
Olha as coisas com humildade.


Fernando Namora, in "Mar de Sargaços"

1 comentário:

José Ricardo Costa disse...

Bela luz!

Já agora, parabéns pela invocação de Fernando Namora. Um fantasma que merecia ser recuperado.

JR