janelas

desamparados



De repente, numa semana, ficámos com as tarefas domésticas

TODAS por nossa conta...

A senhora que costuma fazer a limpeza semanal está com uma tendinite e a

mãe do PR, que nos costuma ajudar com a roupa, partiu um

pulso porque um tresloucado condutor qualquer a atropelou!

ODEIO ISTO!

5 comentários:

marga disse...

calma
isso é tudo provísório.
vai passar num isntante e a paz voltará ao vosso lar.

Ivone Costa disse...

Querida Margarida

Em primeiro lugar a res domestica não é assunto que mereça o desespero de alguém.
Eu, que sou de extremos e radicalismos aliados a um péssimo feitio, das duas umas: ou há uma criada ( que eu não alinho em "senhoras" que fazem limpezas ...), de avental aprumado e que respondem um respeitoso "Com certeza, sôtora" a todos os nossos pedidos, ou não há nada.
A roupa coloca-se dentro de um açafate e leva-se a uma daquelas empresas que devolvem tudo engomadinho. O resto, soalho brilhante, inox reluzente, pó extreminado, cristais cintilantes, pratas polidas é meter as mãos ao caminho. Com luvas que é para não estragar nada.
E,enquanto demorar a lida, a imaginação ajuda sempre. Pense que é uma duquesa apanhada na voltas do destino, que vem de uma família antiga caída em ruína porque um oitavo avô desbaratou toda a fortuna. Se,lá por casa, aparecer uma amiga compadecida com a sua momentânea azáfama, suspire como se suspirava no séc XVIII e diga, muito blasé: "Oh!Pior sorte tinha a minha bisavó Luísa Josefa Isabel que limpava sozinha 84 divisões."
Claro que a Margarida vai estar extenuada quando o PR chegar a casa. E dirá ele: "Margarida minha, como estás cansada!Devíamos sair um pouco para te distraires destas árduas tarefas. Onde queres ir?" E a Margarida dirá:"Oh, PR meu, estou tão cansada que nem quero sair." Depois respire fundo e diga, não se esqucendo do ar blasé:"Mas,enfim,se fazes mesmo questão de sair ... Paris ... talvez, não sei ..."
Margarida, não se esqueça que a mão que embala o berço governa o mundo. Mutatis mutandis para bom entendedor.

Ivone

marga disse...

IVONE, adorei o seu comentário!
Tenho que ver se a conhecer. Foi uma observação boa de mais!

marteodora disse...

Ivone,
infelizmente para quem tem de me aturar,
sinto-me não uma duquesa , mas uma princesa muitíssimo chique e mal habituadinha apanhada na voltas do destino, caída em ruína porque, tenho a certeza, alguém me desbaratou toda a fortuna, lá atrás no tempo.
E, quem me dera suspirar como se suspirava no séc XVIII, pôr o meu ar blasé e fingir que isto são "peanuts" comparadas com as 84 divisões da casa da tia Maria Francisca Cunha Isabel de Saboia Borges Sousa e Lencastre de Mello, etc,etc,etc.
Na realidade, o melhor que consigo é pôr uma "tromba" de dois metros, responder torto a toda a gente e "moer" o juízo das pobres mas que fazem o favor de me aturar. E, quando me dou conta que estou mesmo a exagerar, faço o sorriso mais amarelo que uma gema de ovo!
Mas, o seu comentário deixou-memuito bem disposta. Tanto, que ri a bandeiras despregadas quando o li.
Não lido bem com estas questões de ter de fazer toda a lida (ou seja, não lido com a lida), mas tentarei colocar o tal ar blasé e pedir muito, mas muito, ao meu PR, que me compreenda e me console no seu ombro por todas as injustiças da vida em Paris, Roma, Londres, Milão, ou por aí...
Obrigada!

José Ricardo Costa disse...

Esta ainda estou para saber como fizeste... Mas lá que resultou, resultou.