janelas

os efeitos do Xanax são já evidentes. Oxalá me dê é mesmo sono, que o relógio de ponto, amanhã, não se compadece com estes chiliques ocasionais.


3 comentários:

José Ricardo Costa disse...

Xanax? Cá para mim isso foram mais três charros seguidos. Bela pintura!

JR

marteodora disse...

Oh, zé Ricardo,

nem sei bem como fiz isto, mas o resultado inesperado até parece feito de propósito.
Não te parece que deve acontecer o mesmo a muita gente que se diz artista?

José Ricardo Costa disse...

Eu cá não sou preconceituoso. O que interessa é o resultado e não o processo. Essa coisa da técnica e da intencionalidade, não me angustia. O resultado é bom? Ok, imprimatur.

Não podemos ver a arte apenas do ponto de vista do produtor mas também do receptor. Quero lá saber se quem fez foi um grande pintor, um robot ou um macaco. A mim, enquanto receptor, interessa-me o modo como me irei apropriar da obra, como esta passará a fazer parte do meu património estético.

Nauralmente que há obras de arte que um robot ou macaco jamais poderiam fazer. E é dessas que eu cada vez gosto mais. Mesmo na pintura contemporânea há obras que só um ser humano poderia fazer.

No entanto, há processos aleatórios e arbitrários dos quais podem resultar coisas giras. E que seria um disparate deitar fora.
JR