janelas

a cama


(…)
Tornei a enfiar-me na cama, no túnel entre os lençóis gelados. Apartaram-se as cortinas; ele deitou-se a meu lado. Pela primeira vez, não senti nenhum cheiro. Ele abraçou-me e apertou-me com toda a força, para me expulsar de uma vez só todo o ar dos pulmões. Não havia calor a esperar de um abraço assim.

J.M. Coetzee, A Idade do Ferro (D. Quixote), p. 177.

Sem comentários: