janelas

Foi no silêncio

 
EM SILÊNCIO, O GRITO

Onde ouviste esse grito que morre contra
as paredes, que atravessa os quartos mais fechados,
que não sai por janelas ou frestas, e que
rasga a garganta de quem o sonhou? Foi
no silêncio de uma tarde, sob o calor
de um céu sem horizonte nem pássaros? Ou
no escuro da noite, quando as estrelas
se apagam nos teus olhos e só um gemido
distante ecoa na treva? Mas é dentro de ti
que o ouves, e onde quer que estejas,
tapando os ouvidos para que o mundo
não venha ter contigo, ou fechando
os olhos para que nenhuma imagem
te distraia, levá-los-ás na tua cabeça,
em tudo o que pensas, mesmo que não
saibas já de onde vem, porque nasceu,
nem porque tens de ser tu a ouvi-lo,
de lábios fechados para que não o grites.

Nuno Júdice
Fórmulas de uma luz inexplicável